RSS

Erramos o alvo”, diz Zuckerberg sobre privacidade no Facebook

25 maio

Cada vez mais pressionado devido às políticas de privacidade, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, publicou uma carta aberta nesta segunda-feira (24) no jornal “Washington Post” (cujo executivo-chefe, Donald E. Graham, acaba de ingressar no corpo diretor do site de relacionamentos).

No documento, Zuckerberg diz que o Facebook não havia “acertado o alvo” no que se refere aos complexos controles de privacidade, e que a rede está “crescendo rapidamente”. O dono do Facebook admitiu ainda que “algumas vezes, passamos muito rápido [pelo crescimento]“.

“Muitos de vocês consideravam que nossos controles [de privacidade] eram complexos”, diz a carta. “Nossa intenção era dar os controles a vocês de forma granular.”

“Mas isso pode ter sido o que muitos não queriam. Nós acabamos errando o alvo.”

Ainda assim, Zuckerberg não anunciou novos moldes de privacidade na carta aberta.

“Nas próximas semanas, iremos adicionar controles de privacidade que são muito mais simples de usar. Vamos também dar [aos usuários] uma maneira fácil de desativar todos os serviços de terceiros”, disse Zuckerberg.

Usuários do site social estão combinando um “suicídio virtual” em massa no próximo dia 31 de maio. A rede social é a maior do mundo, com mais de 400 milhões de usuários.

Lacunas na privacidade

Na semana passada, o Facebook se viu em mais um capítulo do imbróglio acerca da privacidade. O diário norte-americano “The Wall Street Journal” informou que outras redes sociais têm enviado dados para companhias de publicidade com os quais é possível localizar nomes de consumidores e outros detalhes pessoais –o que contraria as promessas de que os sites não compartilham informações sem consentimento.

Antes, uma suposta conversa entre o executivo-chefe do Facebook, Marc Zuckerberg, e um amigo vazou na internet, e revela uma postura displicente do executivo em relação à privacidade.

Foi o mesmo site que publicou um longo dossiê em março, no qual uma extensa reportagem investigativa aponta que, em pelo menos uma ocasião no ano de 2004, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, teria invadido contas de membros do Facebook a fim de ler suas mensagens privadas e e-mails, algo que, “na melhor das hipóteses, [é] um grave desvio de informações confidenciais”.

As investigações do Sillicon Alley Insider apontam ainda que Mark invadiu sistemas de uma empresa concorrente para roubar informações que melhorassem o Facebook.

Outra menção feita na reportagem é ao brasileiro Eduardo Saverin, que iniciou o site como sócio –pagando os servidores do site– e “confidente” de Zuckerberg. O site reproduz uma mensagem em que Zuckerberg, momentos antes de lançar o Facebook, recebe um convite para desenvolver um trabalho para uma rede chamada HarvardConnection.

Segundo o site, Zuckerberg teria retardado o processo e iniciado o Facebook –até hoje, Zuckerberg tem um processo de plágio aberto pelos donos da HarvardConnection, que fizeram a acusação apenas seis dias após o lançamento daquela que vem a ser a maior rede social do mundo.

A reportagem afirma ainda que Mark também teria invadido contas de e-mail de editores do jornal universitário de Harvard, o “Crimson”, por intermédio de senhas erradas digitadas no Facebook. A invasão ocorreu porque o jornal teria decidido publicar a história do HarvardConnection.

A maior rede social do mundo tem mais de 400 milhões de usuários no mundo.

Roubos e trapaças?

Inicialmente lançado em Harvard, o Facebook logo angariou grande popularidade –a ponto de não ter que se preocupar com a concorrência de outra rede ali lançada, a já extinta ConnectU, cujos fundadores acusam Zuckerberg de ter roubado suas ideias.

Entretanto, o site define Zuckerberg como “obcecado” pelo ConnectU, a ponto de ter invadido a rede social e feito modificações em perfis de usuários –incluindo o perfil de um dos donos do site. Aparentemente, a falha explorada referia-se a uma verificação de conta com o uso de um e-mail falso.

Zuckerberg teria, então, modificado configurações de privacidade para invisível nas contas de alguns usuários do site –a ideia, aparentemente, era tornar mais difícil o encontro de amigos no ConnectU, reduzindo, desta forma, a sua utilidade.

“Mark parece ter ido um pouco mais longe, com a desativação completa de cerca de 20 contas ConnectU”, diz o Sillicon Alley Insider. “Mark parecia estar preocupado com o risco de suas ações, mas deduziu que os desenvolvedores ConnectU não notariam uma sucessão de desativações de conta provenientes do mesmo endereço IP.”

Não está claro, entretanto, como Zuckerberg teve acesso a estas contas e, ao que tudo indica, ele manteve acesso aos servidores do ConnectU por um tempo.

À época da denúncia, questionado, o Facebook respondeu que “não vai debater com litigantes insatisfeitos e fontes anônimas que tentam reescrever a história inicial do Facebook, de Mark Zuckerberg ou constranger com alegações datadas. O fato inquestionável é que, desde que saiu de Harvard para o Vale do Silício há quase seis anos, Mark levou o crescimento do Facebook para um serviço global que desempenha um papel importante na vida de mais de 400 milhões de pessoas.”

Fonte: Blog da Luciana

Anúncios
 
1 comentário

Publicado por em maio 25, 2010 em Novidades

 

Uma resposta para “Erramos o alvo”, diz Zuckerberg sobre privacidade no Facebook

  1. costa380

    junho 2, 2010 at 2:19 AM

    Alan, Boa Boite!
    Deixo ai meu e-mail costa.oberdan@hotmail.com
    e meu endereço de login no blog costa380.worpress.com

    Um Abraço,Oberdan
    Aluno de T.I

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: